Three-Wise-Monkeys--C11765657

 

Hoje me falta inspiração, as coisas estão tão apressadas e incertas que  eu penso em tudo ao mesmo tempo, tudo é agora! é um misto de ações por vontade e por necessidade que enlouquece, eu preciso dar um tempo dessa vida logo mais… se é que se pode ter férias de si mesmo!  Tentar ser melhor exige esforços e cansa… mais vale a pena.

Segue um texto da Martha Medeiros, na minha opinião muito bom, vale a pena ler!

O contrário do Amor

O contrário de bonito é feio, de rico é pobre, de preto é branco, isso se aprende antes de entrar na escola. Se você fizer uma enquete entre as crianças, ouvirá também que o contrário do amor é o ódio. Elas estão erradas. Faça uma enquete entre adultos e descubra a resposta certa: o contrário do amor não é o ódio, é a indiferença.

O que seria preferível, que a pessoa que você ama passasse a lhe odiar, ou que lhe fosse totalmente indiferente? Que perdesse o sono imaginando maneiras de fazer você se dar mal ou que dormisse feito um anjo a noite inteira, esquecido por completo da sua existência? O ódio é também uma maneira de se estar com alguém. Já a indiferença não aceita declarações ou reclamações: seu nome não consta mais do cadastro.

Para odiar alguém, precisamos reconhecer que esse alguém existe e que nos provoca sensações, por piores que sejam. Para odiar alguém, precisamos de um coração, ainda que frio, e raciocínio, ainda que doente. Para odiar alguém gastamos energia, neurônios e tempo. Odiar nos dá fios brancos no cabelo, rugas pela face e angústia no peito. Para odiar, necessitamos do objeto do ódio, necessitamos dele nem que seja para dedicar-lhe nosso rancor, nossa ira, nossa pouca sabedoria para entendê-lo e pouco humor para aturá-lo. O ódio, se tivesse uma cor, seria vermelho, tal qual a cor do amor.

Já para sermos indiferentes a alguém, precisamos do quê? De coisa alguma. A pessoa em questão pode saltar de bung-jump, assistir aula de fraque, ganhar um Oscar ou uma prisão perpétua, estamos nem aí. Não julgamos seus atos, não observamos seus modos, não testemunhamos sua existência. Ela não nos exige olhos, boca, coração, cérebro: nosso corpo ignora sua presença, e muito menos se dá conta de sua ausência. Não temos o número do telefone das pessoas para quem não ligamos. A indiferença, se tivesse uma cor, seria cor da água, cor do ar, cor de nada.

Uma criança nunca experimentou essa sensação: ou ela é muito amada, ou criticada pelo que apronta. Uma criança está sempre em uma das pontas da gangorra, adoração ou queixas, mas nunca é ignorada. Só bem mais tarde, quando necessitar de uma atenção que não seja materna ou paterna, é que descobrirá que o amor e o ódio habitam o mesmo universo, enquanto que a indiferença é um exílio no deserto. (Martha Medeiros)

Amanhã é sábado *.*   e hoje aniversário da DANI! Parabéns mulhé, muito sucesso! 2010 que nos aguarde :D

Ao som de:  Cássia Eller – Palavras ao vento

Perereca: “tu ta doente, além de tá manca?!”  / Eu: “nãooo, pq?” / Perereca: “tu não ta ouvindo aqueles rosnados e mugidos hj! vou até cantar uma música pra ti!” / Eu: FUGI MANCANDO!

Anúncios

9 comentários

  1. Sabrina · outubro 23, 2009

    Esse texto é lindoo já tinha lido =] —

    eee amanha e niver da danii parabens pra ela neh!!
    Aiaiaia se n me der os parabens por aqui viuuuu rsrs.

    bjins *-*

  2. laizek · outubro 23, 2009

    Não concordo, não concordo e não concordo. Para mim, o oposto de amor é ódio e não estou nem aí se isso é o que as crianças acham. Ela colocou que a indiferença é o contrário, mas é o ponto de vista dela. As pessoas podem amar e odiar uma única pessoa e realmente não se pode evitar isso. Indeferença não é o oposto de amor. Indiferença é transparecer algo que nunca existiu e demonstrar que nunca existirá. Da mesma forma que amo certas pessoas em certos momentos, eu a odeio em outros e não é somente porque a trato com indiferença “naquele” momento que ela será praticamente invísivel para mim. Mesmo as pessoas agindo com indiferença elas tem total consciência do outro, pois sendo assim, nãs as tratariam com essa indiferença.
    Meu ponto de vista… Foi meio espontâneo demais, nem vou reler para não excluir esse comentário hahaha.
    Mas valeu o post ^^
    Beijos!

    • roxoinconstante · outubro 23, 2009

      foi espontâneo e foi muito legal Laize, gostei de saber sua opinião! adoroooooo “opinião alheia” nesse blog, é a base de toda a coisa pra mim.

      eu concordei com a Martha nisso… o texto veio numa hora bem propícia, eu preferiria ser extremamente odiada por algumas (poucasss) pessoas do que receber indiferença. sabe aquela indiferença espontânea, regada de sinceridade?! nunca tinha sido tratada assim, não por pessoas que eu não tratasse da mesma forma… eu constatei exatamente isso, que pra odiar gastamos tanta energia quanto pra amar… mais pra ser indiferente?! nada! e o resultado é tremendo.
      Claro, não vale aqula indiferença vazia, em que o outro se segura absurdamente pra não ligar, pra não transparecer a inquietude, mais no fundo ta remoendo.

      ótimo, fiz quase dois posts hj rsrsrs!

      =)

  3. laizek · outubro 23, 2009

    Hehehe acabei de ver que escrevi uma “indeferença” (eu devia ter relido na hora).
    Pena que você esteja passando por isso, deve ser meio complicado este tipo de situação.

    • roxoinconstante · outubro 23, 2009

      complicado mesmo, mais se avaliado de outros ângulos traz bastante evolução… ao menos isso né?! rsrsr

  4. Elis Regina Marcarini · outubro 23, 2009

    Tássia primeiro gostaria de falar que to adorando seu blog!!!
    Parabéns, já pode procurar emprego de bloguera, quando tiver registro para tal atividade rsrsrrsr!!
    Adorei o texto, já havia lido mais nem lembrava mais kkk normal né, vindo de mim, esquecida que só!!!!
    Mais é isso ai concordo plenamente o odio nos tira muita energia, suga a gente e só traz sofrimento!!!!!
    Por isso até que prefiro a indiferença, por exemplo num relacionamento que acabou seria bom os dois sentirem indiferença e cada um seguir sua vida!!! mais sabemos que não é sempre assim que funciona e uma das parte sempre sofre muito, e a cura é o tempo. Que para alguns pode ser um tempo longo ou para outros um tempo curto. O ideal é não ficar com o tempo ocioso para não dar espaço para que aquela lembrança ocupe sua cabeça!!!!!
    bjosss
    sucesso com blog, bom se continuar assim sempre vai ser sucesso!!!

    • roxoinconstante · outubro 23, 2009

      Elis, vindo de vc o elogio fico mais feliz ainda, uma opinião de peso!

      Gostei do seu comentário, a indiferença seria ideal nesses casos de relacionamentos fracassados mesmo… pena que não possa ser comprada por ai né?!

      quem sabe eu não viro uma admnistradora blogueira?! rsrsrs

      Beijo

  5. roxoinconstante · outubro 23, 2009

    admInistradora, Tássia…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s